FAMÍLIAS DE AMERICANA, SANTA BÁRBARA D’OESTE, NOVA ODESSA, SUMARÉ E HORTOLÂNDIA COMEÇARAM A RECEBER NA ULTIMA SEGUNDA-FEIRA (19)

Equipe Atitudenew – Sumaré – SP

O Bolsa Família de junho começou a ser pago nesta segunda-feira (19) com novos benefícios e maior valor médio da história do programa de transferência de renda: R$ 705,40. Na RPT (Região do Polo Têxtil), a parcela deste mês vai beneficiar 39.693 famílias, totalizando um investimento de R$ 28.066 milhões, de acordo com o MDS (Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome).

Os pagamentos serão feitos pela Caixa Econômica Federal até 30 de junho de maneira escalonada, de acordo com o final do NIS (Número de Identificação Social). A partir deste mês, o governo federal deposita um adicional de R$ 50 para crianças de 7 a 11 anos, adolescentes de 12 a 18 anos e para gestantes e lactantes.

Em março, o Bolsa Família iniciou o pagamento de R$ 150 por família com crianças até 6 anos. Completo e com o valor mínimo de R$ 600 por família, o benefício pode chegar a R$ 850 somando todos os benefícios.

Em fevereiro, quando o atual governo ainda trabalhava para viabilizar o novo Bolsa Família, que na gestão de Jair Bolsonaro passou a se chamar Auxílio Brasil, a região recebeu R$ 25,2 milhões para 41.609 famílias. Naquela época, o valor médio do benefício era de R$ 606,91.

De lá para cá, o Ministério da Cidadania passou a pagar R$ 150 a mais por crianças de 0 a 6 anos e, em parceria com estados e municípios, atualizou o CadÚnico (Cadastro Único) e fez um trabalho de busca ativa pelos beneficiários, o que culminou no número atual: 39.693 famílias nas cidades de Americana, Santa Bárbara d’Oeste, Nova Odessa, Sumaré e Hortolândia. No entanto, a seleção das famílias aptas ao programa é realizada mensalmente.

Para se qualificar ao programa, as famílias devem cumprir condicionalidades nas áreas de saúde e educação, como garantir a frequência escolar das crianças e adolescentes entre quatro e 17 anos, realizar o acompanhamento pré-natal para gestantes, manter o acompanhamento nutricional (peso e altura) das crianças até seis anos e manter a caderneta de vacinação atualizada. Desde março, o novo Bolsa Família passou a considerar um limite de renda mais amplo para a inclusão no programa, abrangendo famílias com renda de até R$ 218 por pessoa, o que representa um aumento em relação ao limite anterior de até R$ 210 por pessoa.

Para ter direito ao benefício, mesmo tendo a faixa de renda adequada, é também preciso estar na base de dados do Cadastro Único. As famílias, para constarem na base, precisam se cadastrar junto a um Cras (Centro de Referência de Assistência Social) ou prefeituras em suas respectivas cidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *